quinta-feira, abril 29, 2004

Programa para o próximo fim de semana...


Repassando um mail que eu recebi:

Início da Mensagem
FESTA DE JONGO no QUILOMBO SÃO JOSÉ - VALENÇA - RJ

Data : Dia 1º de maio de 2004, Sábado
Horário : à partir das 10 horas da manhã

O Quilombo São José é uma comunidade de negros que preserva o jongo, dança considerada uma das origens do samba, trazida de Angola para a região sudeste do Brasil-Colônia pelos escravos.

Essa comunidade de 150 negros permanece no mesmo lugar desde a escravidão mantendo ricas tradições como o jongo, a umbanda, a agricultura familiar de subsistência e etc.

Até seis meses atrás a comunidade não possuía luz elétrica. O candeeiro, o ferro à brasa, o fogão de lenha, as casas de barro e telhado de palha ainda fazem parte do cotidiano.

No dia 1º de maio os moradores do Quilombo realizam uma grande festa para comemorar o dia do seu padroeiro, São José Operário. Reserve já a sua vaga no ônibus, que sairá às 8:00 h da manhã de sábado, da fundição Progresso(Lapa), pelos telefones 9649-3823, 3825-0043 ou 0053...

Programação:

10 horas - Missa afro ao ar livre (apresentação do grupo Juventude e Raça do Quilombo)

12:30 horas - Almoço em beneficio da comunidade (R$ 5,00 - feijoada)

15:00 horas - Apresentação do Grupo Angola Congo de Valença ( Capoeira angola, Maculele e samba de roda )

16:00 horas - Jongo do Quilombo São José

16:30 horas - Jongo de Angra dos Reis

17:00 horas - Jongo da Serrinha

18 horas - Confraternização entre os grupos

19 horas - Benção da fogueira pela matriarca da comunidade Mãe Terezinha

19 : 30 horas - Ínicio da Roda de Jongo na beira da fogueira com a participação de todos os presentes

21 horas às 7 horas da manhã - Ínicio do Baile de Calango com a Dança do Calango Rodado intercalado com Roda de Jongo na fogueira até o sol raiar (durante toda noite barraquinhas venderão comidas típicas e artesanatos do local e serão assadas batatas-doces na fogueira)

8:00 horas - Café da manhã

9:00 horas - Jogo de futebol

12:00 horas Almoço Comunitário e encerramento da festa

Como chegar:

De ônibus: A organização do evento alugou um dois ônibus que levarão os visitantes interessados saindo às 8 horas da manhã em ponto da Fundição Progresso, Lapa e retornando de Valença no mesmo dia, às 20 horas.

A passagem unitária sai a R$ 20,00 ida e volta. ( favor reservar com antecedência pois as vagas são limitadas)

De carro: O Quilombo da Fazenda São Jose fica há duas horas e meia de carro do centro do Rio de Janeiro. Seguir pela estrada Rio - SP entrar na saída para Piraí - Barra do Piraí e atravessar Barra do Piraí em direção a Valença. Após o trevo seguir em direção a cidade de Conservatória ( entrar a esquerda para Conservatória e não a direita para Valença, ). Atravessar a cidade de Conservatória e subir a Serra da Beleza ( estrada de barro ).
Após a 4º ponte, no 18º Km da estrada de barro virar a esquerda na entrada da Fazenda São José ( seguir mais 6 km ) por essa estrada de barro secundária atravessando 3 porteiras e você chegou ao Quilombo da Fazenda São José da Serra !

Reservas e Maiores informações ligar para:

tel. 0xx21 9649.3823 / 3852.0043 / 3852.0053

Realização:

Associação de Moradores da Comunidade Remanescente de Quilombo da Fazenda São José da Serra

Associação Brasil Mestiço”
Fim da Mensagem

Vale a pena lembrar que o Jongo também está presente em nossa região.

segunda-feira, abril 19, 2004

A violência é tão fascinante

E a guerra civil no Rio continua, bem como as declarações absurdas e bestas que fazem em cima disso. Desde indagarem se o filme ultraviolento "Kill Bill - Volume I", de Quentin Tarantino, deve ou não estrear (Eu até imagino o tráfico combatendo os policiais de espada em punho, por inspiração direta ao filme) até a sugestão de murar a Rocinha. Mas o mais absurdo mesmo é tratar a favela como um organismo vivo e coeso, a causa de todos os males do Rio e do Brasil, como se todos ali presentes fossem os únicos responsáveis pela calamidade atual.
"Todo dia, era dia de índio"

Hoje, só tem esse diazinha miserável....

terça-feira, abril 13, 2004

leia livro, safe sex, relax (*)

uma belíssima - e mesmo assim barata - sugestão de leitura para os amigos da tímpano: o teatro do bem e do mal, de eduardo galeano. trata-se de uma coletânea de crônicas do escritor uruguaio publicadas em diversos jornais do mundo.

à pena ferina de galeano não escapam a truculência do governo estadunidense, a ditadura do mercado financeiro, corporações, racismo, capitalismo et corja imunda, sempre com uma ironia pra lá de ácida. um saudável vento de lucidez nesses tempos de demência generalizada.

para quem não sabe, eduardo galeano é autor do mega-clássico "as veias abertas da américa latina", indispensável para que nós, americanos desde sempre explorados, percebamos em sua extensão o mal que nos fizeram e nos fazem.

de quebra, "o teatro do bem e do mal" sai por menos de dez reais.

(*) o título do post - e título de todo post em que eu falar de algum livro, daqui por diante - é uma citação obscura e escrotamente descontextualizada de engenheiros do hawaii. não reclamem. poderia ser "seu popô no meu pipi, poesia é um porre". mas - sorte - eu não acho que poesia é um porre. às vezes.